quarta-feira, 22 de abril de 2009

Primeira Carta à Bernardo

Introdução: Bernardo é um personagem fictício que eu talvez tenha inventado para me divertir, e faz tempo que eu não escrevia alguma coisinha sobre ele, mas esses dias resolvi começar uma série de cartas à Bernardo, escritas pela Susana, que é uma outra personagem inventada por mim, e decidi postar no blog a primeira delas.
Cuidado: Contém excesso de açúcar :)

Gostei de conhecer você, contador de histórias. Parece que quando bati o olho, já sabia de todas elas. Você me trouxe uma sensação indescritível, cheia de aspectos antitéticos, cheia de uma poética incomparável. Temos tantas diferenças, Bernardo!
Hoje eu desejei ser a sua garota favorita. Ser tanto para você quanto eu acho que você vai ser para mim. Já me sinto parte dos teus braços e das mãos com as quais você gesticula e pega o copo. Preciso que os seus óculos foquem somente a mim.
Se você fosse meu, eu juro que te faria bem, do mesmo modo com o qual acho que você faria a mim. Que te ajudaria no que não te faz bem, no que te pressiona, pois me importaria somente com quem você é. Seríamos um casal feliz, basta termos a chance. Chance esta que está sendo concedida a você, pois eu já tratei de agarrá-la com unhas e dentes. E farei o possível, dentro da minha timidez, para lhe ajudar a agarrá-la também. Tanto eu penso, Bernardo. A timidez vem e não me deixa botar em prática, como se fosse o Muro de Berlim, separando o eu de eu mesma. Queria que você, com suas poderosas armas, derrubasse o muro, tocasse as notas, deixasse a música rolar – mais tarde a gente faz a letra. Larga tudo, não importa o que você esteja fazendo: Venha acalentar este coração metafórico, o beijo que te espera. Os meus lençóis novos. Aprendi até a fazer o macarrão que você me disse gostar. Estou pronta para alguém que acabei de conhecer, mas estou mais certa do que quando me preparei lentamente após processos igualmente lentos de paixão.
Vem, paulistano. Quero encher os teus ouvidos de retroflexos “Meu amor”. A esperança me torna mais piegas que pop sertanejo. Mas não dá para deixar de ser piegas quando penso nos teus olhos esverdeados. Na tua voz: Masculina, suave e lerda. Quando imagino nossos óculos juntos no criado-mudo. Os teus voltam ao rosto na hora do futebol. Os meus, na leitura do jornal.
Me tira da imaginação. Torna concreto, Bernardo!

3 freckledmaníacos.:

disse...

se eu tivesse que dar um palpite, eu diria que a susana está apaixonada por ele e

Camila disse...

gostei da carta..
de verdade.

xx

disse...

Só pra avisar: eu leio vcs e coloquei o link devcs em dica de site no meu blog (itsnotlife.blogspot.com), qlquer coisa entrem em contato cmg pelo blog.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin